Terminou o período de inflação muito abaixo da meta, reduzindo o espaço da política de taxa de juros

Dança dos índices estreita ainda mais a margem de manobra para a administração do orçamento de 2021.


· Uma soma de fatores está contribuindo para acelerar a alta dos preços, e devem continuar até meados de 2021:

o

o Estoques baixos

o Demanda externa elevada

o Retomada da demanda interna

o Real desvalorizado

o Condições climáticas adversas (La Ninã)

o Delicada situação fiscal


· A GO Associados projeta o IPCA para 2021 ligeiramente acima da meta, mas ainda dentro do intervalo estabelecido:

3,75% (meta) < 3,8% (projeção) < 5,25% (teto da meta)


· Os dois principais índices de inflação, o IPCA e o IGP-M, estão acelerando na segunda metade de 2020.


· No IGP-M os preços aos produtores têm maior peso (60%). Neste caso, o preço das matérias-primas cotadas em dólar e o aumento de algumas matérias-primas com a retomada chinesa fizeram o índice disparar.


· O IGP-M deve fechar 2020 acima dos 22%. Entre janeiro e outubro o indicador está em 18,1%.


· No médio prazo, o câmbio desvalorizado, a forte demanda chinesa e fatores climáticos (“La Nina”) devem continuar pressionando os preços.


· O IPCA tem refletido o grau de aquecimento da economia desacelerou, chegando a ficar negativo entre abril e maior retomando a partir de maio com a retomada da atividade econômica.


Fonte: IGBE e Ibre - FGV. Elaboração GO Associados



· O grupo alimentação acumula alta de 9,37% até outubro, já superando a marca de 6,37% obtida em todo 2019.


· Uma inflação concentrada em alimentos afeta as famílias mais pobres que gastam mais em alimentação.


· Além disso, há um efeito fiscal. A discrepância de comportamento entre o IPCA e o INPC fará com que o teto de gasto seja corrigido por um índice que cresce menos (IPCA) e itens relevantes de despesas por um índice que cresce mais rapidamente (INPC).


· O salário-mínimo, além de outros gastos fiscais, é corrigido pelo INPC, índice que usa uma cesta de produtos representativa para famílias com renda entre 1 a 5 salários-mínimos e não pelo IPCA, que aponta a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários-mínimos.


· Enquanto o INPC acumula alta de 2,95%, o IPCA registra expansão de 2,22%. Na proposta de orçamento para 2021 enviada ao Congresso o teto de gastos foi corrigido por uma inflação de 2,13%, contra uma expectativa de um INPC de 2,09%.


· No entanto, se o INPC ficar em 3% neste ano (0,91 ponto percentual acima do que foi previsto), as despesas obrigatórias aumentarão R$ 6,99 bilhões em relação ao projetado na proposta enviada em agosto ao Congresso Nacional.

· Assim, as despesas discricionárias terão de ser reduzidas para cerca de R$ 80 bi, patamar considerado por muitos insuficiente, o que geraria um “shutdown” na administração federal.


· Na última ata do Copom, o Banco Central estimou que os preços administrados devem se recuperar em 2021 e subir 5,1%. Considerando a meta de 3,75%, o espaço para os preços livres é limitado, de 3,3%.


21 views
Receba nossos conteúdos!
  • Twitter - Black Circle
  • Spotify - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Facebook - Black Circle